.

VOLTAR PARA A PÁGINA INICIAL - BACK TO INDEX

.

ACIDENTES AERONÁUTICOS

OCORRIDOS NO BRASIL EM 1977

.

MENU


ACIDENTES
AÉREOS NO
BRASIL

ACIDENTES
AÉREOS NO
MUNDO

ACIDENTES DE

HELICÓPTERO

NO BRASIL


CLIQUE AQUI E LEIA AS ÚLTIMAS NOTÍCIAS SOBRE AVIAÇÃO E ESPAÇO

All Aviation Sites

O ACIDENTE

NO VOO 447

AIR FRANCE


A TRAGÉDIA

EM CONGONHAS

VOO 3054


O DESASTRE

NO VOO 1907

DA GOL


A TRAGÉDIA

COM O FOKKER 

 100 DA TAM


ACIDENTES

HISTÓRICOS

CAIXA-PRETA

VÍDEOS DE
ACIDENTES

AERONAVES

EMPRESAS AÉREAS

AEROPORTOS

INFORMAÇÕES

E SERVIÇOS


HISTÓRIA E

CURIOSIDADES


ARTIGOS

IMAGENS DE

ACIDENTES

NO BRASIL


IMAGENS DE

ACIDENTES

NO MUNDO


LINKS E
 PARCERIAS

Quer ser um

site parceiro?


FALE CONOSCO

FALE CONOSCO




ANUNCIE

NESTE SITE


..

 

28.12.1977

FAB - Força Aérea Brasileira

Grumman M-16 Albatross (HU-16)

Prefixo: FAB 6541

 

O hidroplano Albatross da FAB que participaria da busca do monomotor desaparecido há sete dias em nas matas do sul de Roraima caiu perto da Base Aérea de Manaus, no Amazonas.

A queda ocorreu devido à paralisação da hélice da asa esquerda e o avião precipitou-se ao solo, a 1,5 km depois da pista, perto de uma indústria de motores diesel.


 

27.12.1977

Particular

Aeronca 15C Sedan

Prefixo: PP-DZW

 

O avião procedente de Saquarema rumo ao Aeroporto de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, após se aproximar do Jardim de Alá, não teve condições de prosseguir e realizou um pouso forçado no Jóquei Clube.

 

A bordo do monomotor estavam o piloto, o engenheiro civil José Leal Netto Júnior, de 27 anos, e seu pai, José Leal Netto, que há 37 anos também ali realizou um pouso de emergência em circunstâncias semelhantes.

 

O pouso foi bem sucedido e ambos saíram ilesos.

 

Jornal do Brasil, 28.12.1977

 


 

21.12.1977

Particular

Monomotor (?)

Prefixo: ***

 

Avião monomotor desapareceu em meio a mata no sul de Rondônia. Sem mais informações.

 


 

18.12.1977

Royal Air Maroc

Boeing 707

Prefixo: ***

 

 

Um Boeing 707 da Royal Air Maroc pousou às 7h15min de domingo sem autorização no Aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro.

 

Os 110 passageiros, entre eles 85 brasileiros, ficaram retidos no aparelho durante 4h30min e só puderam desembarcar “devido a que o Ministro da Aeronáutica ficou sensibilizado diante dos problemas dos usuários, já que a empresa não tomava nenhuma atitude”.

 

O Boeing ficou retido no Galeão por 81 horas, decolando apenas na quarta-feira (21), às 16h20min, totalmente vazio, pois o Ministério da Aeronáutica impôs o chamado voo de translado (ferry fly) impedido de levar passageiros ou carga.

 

 

Jornal do Brasil, 22.12.1977

 


 

12.12.1977

Particular

Cessna 182B

Prefixo: PT-BNF

 

O Cessna prefixo PT-BNF pilotado por Pedro Zanata decolou de Redenção em direção a Marabá, no Pará, levando a bordo o advogado João Custódio e o jornalista Raimundo Martins, correspondente do jornal ‘A Província do Pará’, em Conceição do Araguaia.

 

A aeronave caiu numa área de difícil acesso a 130 km de Vila Redenção, no município de Conceição do Araguaia. Não houve sobreviventes.

 

O dono do aparelho, o piloto Main Soares Ribeiro, engajado na busca com outros táxis-aéreos, foi quem localizou os destroços do Cessna apenas no dia 23, onze dias após o acidente.

 

O advogado iria participar em Marabá de uma reunião na 23ª Brigada de Infantaria da Selva, para defender os interesses de 30 famílias de posseiros expulsas da Fazenda Chaparral. O jornalista Martins, que vinha acompanhando os acontecimentos, pretendia cobrir a reunião.

 

Um helicóptero do Salvaero conseguiu resgatar os corpos no dia seguinte a localização.

 

Segundo testemunhas, o avião bateu na encosta de um morro, próximo ao Rio Vermelho, e pegou fogo. Provavelmente o piloto tentou um pouso de emergência, muita intensas na região nessa época do ano.

 


 

08.12.1977

Líder Táxi Aéreo

Aerocomander 500 (Rockwell Shrike Commander)

Prefixo: PT-BVZ

 

 

Na aproximação final para o pouso em Conceição do Araguaia, no Pará, a aeronave caiu e pegou fogo causando a morte dos dois ocupantes.

 


 

23.09.1977

Particular

Max Holste MH.1521C Broussard

Prefixo: PT-DZQ

 

A aeronave PT-DZQ fabricada na França, decolou em Itaituba, em direção ao Garimpo do Patrocínio, ambas localidades do estado Pará.

 

Durante o voo o avião caiu na Floresta Amazônica matando seus seis ocupantes.

 


 

17.08.1977

Cruzeiro do Sul

NAMC YS-11A-202

Prefixo: PP-CTE

 

 

Vindo de São Paulo, o Samurai de prefixo PP-CTE da Cruzeiro do Sul, com sérias dificuldades de aterrissagem devido ao mau tempo que imperava na região sul do país, tentou e abortou o pouso por três vezes, em três diferentes cidades para onde foi alternando o voo: a primeira em Curitiba, a segunda em Navegantes e a terceira em Joinville.

 

Ao invés de optar por retornar a São Paulo, o piloto insistiu no pouso no escuro e sob forte neblina em Joinville.

 

Pouso realizado, o Samurai varou a pista e acabou parando parcialmente afundado no rio Cubatão.

 

A aeronave voltou a voar após ser reconstruída com a asa direita e outras partes do Samurai PP-CTI que se acidentou em 29 de abril de 1977 após o pouso em Itajaí, também em Santa Catarina.

 

 

Conhece o autor dessas fotos? Entre em contato com a gente clicando AQUI.

 


 

20.06.1977

TAMU - Transporte Aéreo Militar Uruguayo

Embraer EMB110C Bandeirante

Prefixo: CX-BJE/T584

 

 

O Bandeirante da Força Aérea do Uruguai decolou de Montevidéu para Salto, no interior de São Paulo.

 

Durante a aproximação para Salto a aeronave colidiu com um pomar de laranjas.

 

Os dois tripulantes e dois dos seis passageiros morreram.

 


 

19.06.1977

Particular

Embraer EMB-710C Carioca

Prefixo: PT-NBM

 

A queda do avião de prefixo PT-NBM que tentava pousar em Nova Esperança, município paranaense a 500 km de Curitiba, provocou a morte de duas pessoas e ferimentos graves em mais duas.

 

O acidente ocorreu na noite de domingo. As vítimas são todas comerciantes de Nova Esperança, que voltavam de uma caçada em Mato Grosso.

 


 

03.06.1977

FAB - Força Aérea Brasileira

Embraer C-95 Bandeirante

Prefixo: FAB 2157

 

 

Assim que decolou do Aeroporto de Natal, no Rio Grande do Norte, o C-95 da FAB caiu matando seus 18 ocupantes.

 


 

02.06.1977

Viasa - Venezolana Internacional de Aviación Sociedad Anónima

Douglas DC-8

Prefixo: ***

 

 

O Douglas DC-8 da empresa venezuelana Viasa, com 40 passageiros a bordo, decolou do Aeroporto Internacional de Brasília em direção a Caracas, capital da Venezuela e, em seguida, Nova York, nos EUA.

 

Logo após a decolagem, uma pane ocorreu em um de seus motores e a tripulação solicitou a Torre de Brasília permissão para uma aterrissagem de emergência.

 

Assim que a aeronave tocou o solo, seis pneus arrebentaram, sem comprometer o pouso e a segurança dos ocupantes.

 

Porém, a aeronave ficou atravessada na pista e, em razão da falta de equipamento para rebocá-la, a pista principal do aeroporto ficou interditada por 13 horas, até que foram encontrados meios de retirar o DC-8.

 

Problemas técnicos nos freios hidráulicos foram apontados como causa da avaria durante o pouso de emergência.  

 


 

12.05.1977

Lasa Engenharia e Prospecção / Geofoto

Britten-Norman BN-2A-21 Islander

Prefixo: PT-KUO

 

O Islander prefixo PT-KUO, pertencente a uma empresa de engenharia e prospecção, decolou do Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, com destino a Curitiba, no Paraná, levando a bordo o piloto e um passageiro.

 

A aeronave pilotada pelo comandante madeira, voando em condições atmosféricas adversas, chocou-se contra a Serra da Graciosa, nas proximidades de Curitiba. Madeira morreu no momento da colisão e o passageiro, Ijalde Darlan Bezerra, técnico especialista em levantamentos aerogeofísicos da LASA Engenharia e Prospecções, escapou com vida.

 

Após 26 horas do acidente, o passageiro foi içado e resgatado por um helicóptero do Parasar.

 

Fonte: Ijalde Darlan Bezerra (sobrevivente)

 


 

29.04.1977

Cruzeiro do Sul

NAMC YS-11A-202

Prefixo: PP-CTI

 

 

Durante a aproximação final para o Aeroporto de Navegantes, em Itajaí (SC), com a baixa visibilidade (500 metros) devido ao denso nevoeiro, o piloto fez o YS-11 tocar a pista 460 metros depois da cabeceira.

 

Após o toque, a tripulação perdeu o controle do avião, que saiu pela lateral direita da pista e colidiu com postes de iluminação, tendo o trem de pouso esquerdo arrancado e o nariz seriamente danificado.

 

Os dois ocupantes do avião cargueiro escaparam ilesos.

 

O YS-11 foi retirado de operação e ficou alguns anos parado no aeroporto. Hoje em dia o que restou dele esta na BR-101, próximo ao município de Tijucas (SC), onde virou um restaurante e pizzaria, na beira da estrada.

 

Algumas partes, peças, além da asa direita, foram doadas para a reconstrução do Samurai de prefixo PP-CTE, acidentado em Joinville em 17.08.1977.

 

Veja nas fotos abaixo o destino do avião ao longo dos anos:

 

Clique aqui para ver a foto original

Aeroporto Santos Dumont (RJ), 20.02.1968 - Foto: Helio Bastos Salmon (PlanePictures.net)

 

BR-101, Tijucas (SC), 17.02.1999 - Foto: Bruno G Orofino (airliners.net)

 

BR-101, Tijucas (SC), 14.09.2003 - Foto: Giovanni Hennings (airliners.net)

 

BR-101, Tijucas (SC), 11.01.2005 - Foto: Stephan Klos Pugatch (airliners.net)

 

BR-101, Tijucas (SC), 18.11.2011 - Foto: Markus Buttinger (airliners.net)

 


 

23.04.1977

FAB - Força Aérea Brasileira

Embraer C-95 Bandeirante

Prefixo: FAB 2169

 

 

O C-95 prefixo 2169 da FAB se acidentou durante a aterrissagem no Aeroporto de Natal, no Rio Grande do Norte. Sem mais informações.

 


 

18.03.1977

Particular

Piper PA-34-200T Seneca

Prefixo: PP-EHR

 

A morte do piloto de Fórmula 1 José Carlos Pace

 

Imagem: diariomotorsport.com.br

 

O Piper prefixo PP-EHR havia decolado às 16 horas do Aeroporto Campo de Marte, em São Paulo, em direção a Araraquara, levando a bordo o piloto de Fórmula 1 José Carlos Pace, de 32 anos, ao lado do colega de automobilismo Marivaldo Fernandes, de 42 anos, e do amigo Carlos Roberto de Oliveira, também de 42 anos, que pilotava o monomotor.

 

Pouco depois da decolagem, em meio à forte tempestade na Serra da Cantareira, o avião sofreu uma pane e caiu violentamente, se chocando contra a encosta de um morro, até bater nas árvores e explodir, no bairro de Terra Preta, no município de Mairiporã.

 

Os três ocupantes da aeronave morreram na hora.

 

Marivaldo Fernandes foi encontrado sob a fuselagem do aparelho e, no assento do avião, estava Carlos Roberto de Oliveira.

 

O corpo de Pace foi recolhido a vários metros dos destroços. Estava irreconhecível. O piloto foi reconhecido por suas impressões digitais.

 

Segundo testemunhas, o avião voava em círculos, como se estivesse procurando um lugar para descer. Relataram, também, que ouviram o motor falhando.

 

Em 1985, o nome do Autódromo de Interlagos foi alterado para Autódromo José Carlos Pace, em homenagem ao “Moco”, como era conhecido.

 

Pace deixou esposa e dois filhos pequenos.

 

Clique AQUI para ler matéria do jornal O Estado de S.Paulo.

 

 

 

 

Folha de S.Paulo, 20.03.1977

 

 

 

 

Jornal do Brasil, 20.03.1977

 


 

06.01.1977

Táxi Aéreo Fortaleza

Cessna 182G

Prefixo: PT-CDI

 

O Cessna prefixo PT-CDI caiu por volta das 13 horas no distrito de Pedras, a 24 km da cidade de Russas e a 161 km de Fortaleza, no Ceará, a margem da Rodovia BR-116.

 

Morreram o piloto Valdecir Soares Lei e o engenheiro Richard Brown.

 

Folha de S.Paulo, 06.01.1977

 


 

04.01.1977

Transbrasil

BAC One-Eleven 520FN

Prefixo: PP-SDS

O One-Eleven PP-SDS da Transbrasil, cumprindo o voo 203 ligando Vitória (ES), Galeão (RJ) e Campinas (SP) deveria ter chegado ao Aeroporto Internacional de Viracopos às 21h30min. Entretanto, com mais de 30 minutos de atraso, provavelmente devido ao mau tempo, o avião sobrevoou o aeroporto somente às 22 horas, assim que um jato da Aerolíneas Argentinas pousou.

Após arremeter por três vezes, por volta das 22h30min o PP-SDS fez a aproximação final e pousou sob forte chuva em Viracopos.

Ao tocar a pista um dos pneus estourou e a aeronave derrapou na pista molhada, rodopiando e avançando sobre um lamaçal, onde sofreu sérias avarias.

Sem provocar qualquer barulho, comenta-se (um vigia, há 300 metros do local, nada ouviu), o acidente não teria despertado qualquer suspeita se a torre de controle do aeroporto não tivesse alertado o Setor de Tráfego para que verificasse porque razão o avião estava parado na pista, enquanto os passageiros procuravam se afastar rapidamente do local.

Algumas testemunhas relataram que, com a pista alagada, o piloto tentou arremeter para uma nova tentativa de pouso, mas a aeronave pouco subiu, caindo em seguida, colidindo o nariz contra o solo, danificando a bequilha e, em seguida, deslizando por 450 metros, saindo da pista, atravessando uma vala e parando a 360 metros distante da mesma.

A aeronave ficou irrecuperável.

Os cinco tripulantes e os 37 passageiros escaparam ilesos.

Com cinco metros da asa sobre uma parte da pista, na altura da cabeceira 32, o BAC-1-11 interditou pousos em Viracopos por mais de 10 horas.

O PP-SDS antes de se acidentar em Campinas (SP) - Foto via baaa-acro.com

 


 

Você tem mais informações sobre estes ou outros acidentes?

Escreva para nós: contato@desastresaereos.net

 


.

Fontes: Folha de S.Paulo, Jornal do Brasil, baaa-acro.com, ASN, Wikipédia e FAB.

Edição de texto e imagem: Jorge Tadeu da Silva


Voltar a página anterior

Ir para a página seguinte

. . . .
Este site está em The Best Aviation Sites
. . . .

Desde 2006 ® Direitos Reservados - Jorge Tadeu da Silva